Posts Tagged 'família'

Sofrimento compartilhado

Sinceramente, eu não começaria a ler um texto cujo título fosse “Sofrimento compartilhado”. Isso soa depressivo, irritante e sonolento. Mas é exatamente dessa maneira que as coisas ocorreram hoje.

Um tio muito querido faleceu ontem, e hoje pela manhã, lá estava eu no seu velório. Odeio velórios, de verdade. Mas, como eu disse, perdi um tio querido. E quando existem pessoas queridas envolvidas nós precisamos ceder.

O que me irrita em velórios é essa coisa de choro coletivo. Abraços, palavras de consolo, lágrimas misturadas. Isso me agoniza um pouco. Não quero parecer aqueles com fobia social. Sou até bem sociável. Mas quando se trata dessas coisas, queria poder passar por tudo na minha. Sem expôr minha tristeza de maneira tão óbvia. Sem ficar chorando na frente de desconhecidos. Sem ter que abraçar e ser abraçado.

Queria apenas parar, pensar, e deixar uma música triste tocando na minha mente. E fazer tudo isso em uns 5 minutos, porque pensar demais na morte não faz bem pra ninguém. Mas as coisias não funcionam assim.

Alguém morre, a família se reúne, você encontra parentes que só aparecem quando outros parentes morrem, todo mundo te abraça, e as pessoas deixam lágrimas e baba no ombro do seu casaco. Infelizmente.

Infelizmente.

Anúncios

Definitivamente, talvez.

Hoje assisti 3 Vezes Amor (Definitely, Maybe) pela zilhonésima vez. Porém, pela primeira vez com a minha mãe.

Não gosto muito de assistir filmes com a minha mãe, levando em conta que em 15 minutos de filme ela já está dormindo. Mas hoje ela se superou. Dormiu só depois de meia hora, então a acordei, ela se sentou na cama, e ela permaneceu acordada até o final.

Eu poderia muito bem deixá-la dormir e ser um filho bonzinho. Pausar o filme, expulsá-la do meu quarto e procurar cenas do filme pra postar no Tumblr. Mas ela dormiu na MELHOR PARTE DO FILME, e eu não podia deixar que minha mãe perdesse aquilo. É genial demais. E, bem, pra quem nunca viu o filme,  eu explico rapidinho:

Will vai pedir a mão de Emily em casamento no dia seguinte, mas ele não sabe direito o que dizer, então, ele ensaia o discurso com a Aprilno terraço de uma festa, e diz o seguinte:

E se a gente traduzir isso, vai ficar mais ou menos assim (adaptei algumas partes para ficar mais bonito em português, rs):

Quero me casar com você porque você é a primeira pessoa que eu quero ver quando acordar de manhã, e a única na qual eu quero dar um beijo de boa noite. porque a primeira vez que eu vi essas mãos, eu não consegui mais soltá-las. Mas quando você ama alguém o tanto quanto eu te amo, se casar é a única coisa a se fazer. Então… quer se casar comigo?

Continue lendo ‘Definitivamente, talvez.’

Dias cinzas

Hoje que é quarta-feira de cinzas, e isso significa muita coisa:

  1. Significa que FINALMENTE acabou o Carnaval;
  2. Sinifica que INFELIZMENTE amanhã eu tenho que acordar cedo pra trabalhar :~
  3. Significa que daqui há 40 dias é Páscoa, irra.

Páscoa é minha terceira data preferida do ano, perdendo apenas para o meu aniversário (23/03) e pro Natal, rs.

Todo mundo sempre vem com aquele papo de “O ano só começa de verdade depois do Carnaval” (o que, sinceramente, eu acho a desculpa mais esfarrapada do mundo para empurrar as responsabiliadades por dois meses sem sentir-se culpado). Então, se as coisas funcionam mesmo desse jeito, parece que 2010 vai começar em 3, 2, 1…

Ok, ano novo, vida nova, quarta-feira de cinzas. Pra que serve isso afinal?

Eu sempre confundi quarta-feira de cinzas com o dia de Finados. Porque, sem brimks, eu achava que quarta-feira de cinzas era um dia em homenagem às pessoas que morreram queimadas ._. Mas eu não penso mais assim, ok? Hoje em dia eu sei o que esta data siginifica graças à Wikipédia.

(…) Este dia é um símbolo para a reflexão sobre o dever da conversão, da mudança de vida, recordando a passageira, transitória, efêmera fragilidade da vida humana, sujeita à morte.
Fonte

Em geral, não tenho paciência para essa coisa toda de reflexão, mas hoje percebi que é preciso. A “efêmera fragilidade da vida humana” se tornou uma coisa muito clara para mim ontem. Tive um dia bem tenso. Não quero entrar em detalhes, mas estou com alguns casos graves de saúde na família. Nada comigo, mas com pessoas que são muito importantes para mim. E eu acho que isso é o pior da história, porque infelizmente, não há nada que eu possa fazer, a não ser esperar. Não sou um herói capaz de acelerar o processo de cura ou qualquer coisa assim. E, como eu citei, a vida humana é muito frágil.

Hoje estamos vivos, e amanhã… Bem, não temos certeza.

Continue lendo ‘Dias cinzas’

Problemas grandes e pequenos

Estou passando por umas complicações aqui em casa. Coisas que eu não compartilho com quase ninguém, mas que no fundo, no fundo me deixam muito triste. Dessa vez, o problema não é comigo, mas acho que quando o problema é na família, ele acaba envolvendo todo mundo.

Daí chega a hora da responsabilidade. A hora de dar suporte para quem precisa. E às vezes eu me sinto tão fraco para isso.

Não sei se algum de vocês já passou por uma situação parecida, mas aprendi que segurar os problemas dos outros é bem mais difícil do que segurar os nossos. Quando somos responsáveis apenas por nós, podemos desistir de uma hora pra outra, jogar tudo pro alto e sentar para descansar. Mas quando estamos apoiando quem mais precisa, não existe essa possibilidade. Temos que ser fortes o tempo inteiro, segurar a barra o tempo inteiro, e não deixar de sorrir.

E isso é tão difícil!

Vitor Martins não é um herói.

Família

Minha família é meio complicada. Tenho pais divorciados, muitos irmãos, primos e tios, e como em toda família normal, existem pessoas brigadas com outras pessoas. Na minha família então, esse lance de brigas sem motivos é quase que uma regra. Tios não falam com outros tios, por causa de brigas com cunhados, e tias não falam com outroas tias por causa das sobinhas, orr.. É uma confusão do caramba!

E por mais que exista aquele papo de “acontece nas melhores famílias”, eu não acho certo essa coisa de irmãos brigando com irmãos. Família deveria ser unida, indendente das diferenças.

Somos  obrigados a conviver com pessoas diferentes todos os dias. No trabalho, na escola, no nosso condomínio. Mas quando encontramos algum sinal de diferença na nossa casa, nossa reação é diferente. E aí começam os desentendimentos.

Parece que as pessoas esqueceram o significado de “família”. Mas eu não. Aprendi assistindo Lilo & Stitch que Ohana quer dizer família, e família quer dizer NUNCA ABANDONAR. E “Nunca” é, tipo, NUNCA MESMO! Família é aquela que vai estar ao seu lado não importa o que aconteça. É o nosso suporte. Aqueles que nos seguram quando estamos quase caindo. Aqueles que torcem por nós quando estamos prestes a concluirmos uma etapa difícil nas nossas vidas.

Mas nem todas as famílias são assim.

Continue lendo ‘Família’

A aventura continua

Continuo na praia ._.

Não gosto de parecer fresco nem nada, mas a umidade do ar faz com que eu odeie cada vez mais meu cabelo. Mas só falta mais um dia e eu estarei de volta à minha cidade, onde o ar não é umido, as noites são frias e os mosquitos são mais amigáveis.

Hoje nós fomos até Búzios numa praia que eu não conhecia. O lugar era bonito, com aquela coisa toda de algas, areia e turistas. Então resolvi explorar, dentro das minhas limitações. O lugar era cheio de pedras com formatos e texturas engraçadas. Por um momento eu tive vontade de ser um geógrafo.

Esse momento durou 2 minutos, porque depois disso cortei o tornozelo numa pedra branca escrota! ¬¬’

Tenho primos super marotos, que são filhos da minha prima que é bióloga. Tipo, eles são meus  primos de 2º grau err.. Então eles estão super acostumados com essa coisa toda de parede de coral, e bichos do oceano (?). Fui andando com eles pelas pedras, avançando para o mar. Quando digo “pelas pedras”, quero dizer “pelas pedras” MESMO. Fui indo aos poucos, de chinelo na balada porque tenho amor aos meus pés, e não queria que eles ficassem machucados.

Quer saber? Não adiantou de nada :/

Continue lendo ‘A aventura continua’

O litoral me odeia

Ok, eu previ. Eu sabia que a “virada de ano” ia ser muito broxa. Então não foi muito decepcionante pra mim ter que passar os primeiros minutos de 2010 no TWITTER, err

Não tenho muito tempo pra escrever, porque tá tarde, e Jolie, a cachorra da minha prima tá lambendo meu pé .__. Assim que deu meia noite, eu fiquei curtindo Weightless no quarto, pulando na cama, vendo os fogos pela janela, até que minha mãe entra no quarto de fala “Fecha essa porta e para com o barulho”. Tipo, era ANO NOVO! Cadê a compreensão? Pfff.. Nem preciso dizer que broxei, total.

Minha prima disse que eu preciso parar de falar “broxei”, porque tem uma conotação sexual muito feia ._.

Minhas primeiras conversas de msn de 2010 foram com o @BooGalacini e com o @leandro_k, e depois fiz um Justin.tv falido, só pra desejar feliz ano novo :B

Continue lendo ‘O litoral me odeia’


Heartbreaker

Vitor Martins, 20, Rio de Janeiro

Gosto de All Time Low, pizza, filmes de final previsível e acho que Cory Monteith é uma das melhores coisas que já inventaram nos últimos tempos. Odeio gente comprometidona, e celebridades escrotas, tipo Taylor Momsen.

Arquivo

Status?

  • 98,951 visitas