Archive for the 'Filosofia barata' Category

Roupas pretas, vibe dark e uma metáfora sobre caixas.

Eu sei que escrevo pouco aqui, mas na noite passada me bateu uma motivação repentina de voltar a escrever. Foi meio aleatório, mas não deu pra evitar. Então, preparei esse layout novo, que segundo a @aniielle ficou “muito dark” e muito “não-eu”. Mas acho que eu estou mesmo passando por uma fase sombria na minha vida, e talvez o layout do blog seja o reflexo disso.

Claro que eu já tive fases piores, tipo aos 14 anos, quando eu só andava de preto, com correntes penduradas pela calça, e me forçava a ouvir rock pesado, só pra me encaixar no grupinho dos metaleiros da escola.

No fim das contas eu consegui me enturmar. Mas nem foi pelo jeito como eu me vestia, ou pelas músicas que escutava. Pode parecer meio idiota, mas consegui conquistar amigos nessa época sendo eu mesmo. E talvez esse seja o segredo pra se encaixar. Porque amizades são tipo uma caixa. Cada uma tem um tamanho diferente, e nós temos que caber dentro delas com conforto. Se uma caixa dessas não tem espaço suficiente para nós, não temos que mudar pra cabermos ali dentro. Temos que procurar uma caixa que nos aceite do tamanho que nós somos.  Sei que essa é provavelmente a pior metáfora que você já leu em toda a sua vida, mas se uma amizade exige uma mudança, talvez ela não valha a pena.

É só o que penso. Nada demais.

Anúncios

Vendem-se máscaras

Todos usamos máscaras. E não são poucas. Temos uma estante cheia delas, e usamos várias, todos os dias. No trabalho colocamos nossa máscara de seriedade e dedicação. Na escola colocamos nossa máscara de autoconfiança, e essa vem com um sorriso simpático bem grande. Chegamos em casa, e antes de entrarmos já colocamos nossa máscara de inocência, para que ninguém desconfie das besteiras que fizemos na última noite.

It’s all about the exposure.

Fingimos simpatia, fingimos antipatia. Forçamos uma amizade por mero interesse, e dizemos ser quem não somos só para impressionar. Temos máscaras de “bobinho inocente” e de “esperto e traiçoeiro”. E já nascemos sabendo quando devemos usar cada uma delas. Quando escutamos um “eu te amo”, imediatemante colocamos nossa máscara de “eu também” para não quebrarmos o clima.

Continue lendo ‘Vendem-se máscaras’

Borboletas sempre voltam, rs.

Ontem passou Efeito Borboleta na Globo, e como foi logo depois do BBB, eu acabei assistindo. Gosto muito desse filme, e não acredito que passei tanto tempo da minha vida sem ele.

A primeira vez que vi Efeito Borboleta foi em 2008, quando um pessoal comentou do filme no curso técnico, e eu disse que nunca tinha visto. Daí todo mundo ficou tipo, COMO ASSIM? Porque Efeito Borboleta é o Titanic do drama (???). Todo mundo já viu. E hoje, quando vi mais uma vez, fiquei pensando por um tempo:

E SE A GENTE FOSSE CAPAZ DE VOLTAR NO TEMPO PARA TENTAR CONSERTAR NOSSOS ERROS?

Será que assim seria melhor? Tipo, errar, voltar e tentar. E errar de novo, e voltar, e tentar mais uma vez. Como se a vida tivesse um Ctrl+Z.

Continue lendo ‘Borboletas sempre voltam, rs.’

Ross, Rachel, Monica, Chandler, Phoebe & Joey ♥

Eu sigo um perfil no Tumblr chamado fffriends, que sempre posta umas fotos de Friends (a série, rs) e quando vi no meu dashboard uma foto do episódio em que a Phoebe ganha um telefone de bola de futebol do banco, eu fiquei lembrando de tudo que já aconteceu na minha vida pro causa de Friends.

Quando eu estava na sétima série, eu tinha meu grupinho de freaks na escola. Nós não éramos muito populares, nem muito bonitos, nem ricos. PFFFF Mas erámos muito amigos. E viciados em Friends. Sei que pode parecer infantil, mas a gente meio que separou um personagem para cada um, entende? E eu era o Ross, rs. Lembro que assitia os episódios inéditos, todas as quartas às 8:30 na Warner e assistia as reprises de seguna à sexta, 1 da tarde. Lembro do dia em que transmitiram no Brasil o último episódio, e assim que acabou, com a cena das chaves em cima do balcão da Mônica, a minha amiga Claudia (que era a Phoebe) me ligou, e nós dois estávamos chorando.

Lembro do dia em que minha irmã casou, e depois da festa eu cheguei em casa e me dei conta de que ela não morava mais comigo. Comecei a chorar junto com a minha mãe, fui até a locadora, peguei a segunda temporada de Friends e fiquei assistindo o dia  inteiro, pra voltar a sorrir. Porque a vida daqueles seis amigos, sempre pareceu a vida dos sonhos para mim.

Continue lendo ‘Ross, Rachel, Monica, Chandler, Phoebe & Joey ♥’

Errando e apagando

Quando postei meu texto de ontem, mostrei imediatamente para a Priscila (@prihovernek), por dois motivos:

  1. Achei que talvez meu texto seria útil para ela naquele momento.
  2. A opinião dela sobre as coisas que eu escrevo sempre foi muito importante pra mim.

Não sei se o texto serviu de fato para ajudá-la de algum jeito, mas ela me ajudou mais uma vez. Ela leu e me disse alguma coisa do tipo: Olha Vits, acho que você deveria controlar mais sua ansiedade, e revisar seus textos antes de sair postando. Como fica com pressa de postar logo, os posts ficam cheios de erros de digitação.

E, bem, eu tive que concordar ¬¬

Mas é que para mim é mais fácil quando alguém encontra algum erro e me avisa. Então, eu vou no botão EDITAR, arrumo o erro e fica tudo bem. E depois disso, eu fiquei pensando: Nossa vida não vem com um botão EDITAR, pfff. E quando erramos, existem apenas duas maneiras de corrigir o erro.

Continue lendo ‘Errando e apagando’

Esse é o jeito de começar

Pra mim não existe uma falta total de inspiração. Sei que existem dias em que estamos felizes, e dias em que não estamos. Mas isso não influencia na inspiração. Somos capazes de escrever a qualquer momento. Se estamos bem, vamos escrever algo bom. Se estamos tristes, vamos escrever algo triste. Mas é só olhar em volta, e somos capazes de encontrar algo que nos faça… refletir.

Quando estou nesses “dias ruins”, e não quero colocar essa “ruindade” (?) nos textos, eu procuro me encher de coisas boas, pra poder então escrever coisas boas.

SÉRIO, PARECE QUE EU ESTAVA DROGADO QUANDO ESCREVI ESSA INTRODUÇÃO, IARIRIRARAI… Mas só vai piorar daqui pra frente.

Hoje, enquanto pensava em algum assunto para postar aqui, comecei a ouvir música pra “me encher das coisas boas”. Deixei o iTunes no aleatório e fui passando algumas músicas, até que começou a tocar Colbie Caillat – Begin Again.

Continue lendo ‘Esse é o jeito de começar’

Barrigas

Estou de volta! De volta à minha cidade, à minha casa, AO MEU QUARTO *-*

Tirar férias é sempre bom. Sair, viajar, vento no cabelo, aventuras em mar aberto… Mas pra mim férias não podem durar muito. Eu tenho uma conexão cósmica com o meu quarto, e começo a ficar fraco quando fico longe dele por muito tempo. E tudo bem, eu confesso que sinto muita falta da minha mãe também.

Antes de voltar, não deu tempo de viver mais nenhuma aventura de marinheiro. AINDA BEM. Não estava pronto pra “quase morrer” novamente.

Quem aconpanhou a minha viagem pelo twitter, viu que esse negócio de praia não é lá uma das minhas coisas preferidas. Eu gosto do cheiro, da brisa marinha, DO AÇAÍ , até mesmo um pouco do calor. Mas a  areia, os pernilongos e a umidade do ar me irrita. AH, A MALDITA UMIDADE DO AR! Graças a ela, meu cabelo está igual ao do Zack, e vai levar um tempo pra voltar ao normal :~

Continue lendo ‘Barrigas’


Heartbreaker

Vitor Martins, 20, Rio de Janeiro

Gosto de All Time Low, pizza, filmes de final previsível e acho que Cory Monteith é uma das melhores coisas que já inventaram nos últimos tempos. Odeio gente comprometidona, e celebridades escrotas, tipo Taylor Momsen.

Arquivo

Status?

  • 98,885 visitas